O Que é Game Engine

O Que é Game Engine?

Você já pensou em como os jogos que você joga no seu console, smartphone ou PC são feitos? Como os personagens, os cenários, os sons, as animações e as interações são criados e combinados para formar uma experiência divertida e imersiva? Por trás de cada jogo, existe uma ferramenta poderosa e complexa que facilita e agiliza o trabalho dos desenvolvedores: a game engine.

Uma game engine, ou motor de jogo, é um programa de computador ou um conjunto de bibliotecas que reúne diversas funcionalidades necessárias para o desenvolvimento de jogos digitais, como gráficos, física, som, inteligência artificial, networking, entre outras. Com uma game engine, os desenvolvedores podem se concentrar em criar o conteúdo do jogo, como a história, os personagens, os objetos, os níveis, etc., sem ter que se preocupar em programar cada detalhe do funcionamento do jogo.

As game engines são essenciais para a indústria de jogos, pois permitem que os jogos sejam criados de forma mais rápida, fácil e barata, além de possibilitar que os jogos sejam compatíveis com várias plataformas diferentes, como consoles, computadores, smartphones, navegadores, etc. Graças às game engines, hoje uma pessoa sozinha pode fazer um jogo que na década de 80 seria necessário uma equipe inteira.

Neste artigo, você vai aprender mais sobre o que é game engine, o que ela faz, quais são os tipos de game engine, como escolher uma game engine e quais são as game engines mais populares e por quê. Vamos lá?

O que é Game Engine?

Uma game engine é responsável por gerenciar e executar todas as partes de um jogo em tempo real, desde os gráficos até a lógica. Para isso, ela oferece uma série de funcionalidades que facilitam o trabalho dos desenvolvedores, tais como:

  • Motor gráfico: é a parte da game engine que cuida dos gráficos do jogo, ou seja, de renderizar as imagens em 2D ou 3D na tela. O motor gráfico é responsável por criar e manipular os elementos visuais do jogo, como os modelos, as texturas, as luzes, as sombras, os efeitos especiais, etc. O motor gráfico também pode incluir ferramentas de edição e modelagem, que permitem aos desenvolvedores criar e modificar os gráficos do jogo de forma mais fácil e intuitiva. Alguns exemplos de motores gráficos são: Unity, Unreal, CryEgnine, Frostbite e iD Tech.
  • Motor de física: é a parte da game engine que cuida da física do jogo, ou seja, de simular as leis da natureza e as interações entre os objetos do jogo. O motor de física é responsável por calcular e aplicar variáveis como gravidade, massa, atrito, força, velocidade, colisão, etc., para criar movimentos e animações realistas e consistentes. O motor de física também pode incluir ferramentas de animação, seja de desenho ou pixel art, que permitem aos desenvolvedores criar e controlar as ações dos personagens e dos objetos do jogo de forma mais fácil e expressiva. Alguns exemplos de motores de física são: Havok, Bullet e ODE.
  • Som: é a parte da game engine que cuida do som do jogo, ou seja, de reproduzir e manipular os sons e as músicas que compõem a trilha sonora e os efeitos sonoros do jogo. O som é responsável por criar e transmitir a atmosfera, a emoção e a imersão do jogo, além de fornecer informações e feedbacks ao jogador. O som também pode incluir ferramentas de edição e mixagem, que permitem aos desenvolvedores criar e modificar os sons e as músicas do jogo de forma mais fácil e criativa. Alguns exemplos de bibliotecas de som são: FMOD, OpenAL e SDL.
  • Inteligência artificial: é a parte da game engine que cuida da inteligência artificial do jogo, ou seja, de simular o comportamento e a reação dos personagens e dos objetos do jogo que não são controlados pelo jogador. A inteligência artificial é responsável por criar e gerenciar os agentes inteligentes do jogo, como os inimigos, os aliados, os animais, etc., que devem agir de forma autônoma, coerente e desafiadora. A inteligência artificial também pode incluir ferramentas de programação e modelagem, que permitem aos desenvolvedores criar e modificar as regras, os objetivos, as estratégias e as personalidades dos agentes inteligentes do jogo de forma mais fácil e sofisticada. Alguns exemplos de bibliotecas de inteligência artificial são: OpenAI, TensorFlow e PyTorch.
  • Networking: é a parte da game engine que cuida do networking do jogo, ou seja, de permitir e gerenciar a comunicação e a interação entre os jogadores e os servidores do jogo pela internet ou por uma rede local. O networking é responsável por criar e manter as conexões, os protocolos, os dados, as mensagens, as sessões, os lobbies, os rankings, etc., que possibilitam que os jogadores joguem online, cooperativamente ou competitivamente.
  • Gerenciamento de arquivos, memória e linha de execução: é a parte da game engine que cuida do gerenciamento de arquivos, memória e linha de execução do jogo, ou seja, de organizar, carregar, salvar, liberar e executar os recursos e os processos do jogo de forma eficiente e segura. O gerenciamento de arquivos, memória e linha de execução é responsável por garantir que o jogo funcione sem erros, travamentos, lentidões ou perdas de dados. O gerenciamento de arquivos, memória e linha de execução também pode incluir ferramentas de depuração, teste e otimização, que permitem aos desenvolvedores identificar e resolver problemas de desempenho e qualidade do jogo de forma mais fácil e precisa. Alguns exemplos de bibliotecas de gerenciamento de arquivos, memória e linha de execução são: STL, Boost e SDL.
  • Suporte a linguagem de script: é a parte da game engine que cuida do suporte a linguagem de script do jogo, ou seja, de permitir e facilitar o uso de linguagens de programação de alto nível, interpretadas e dinâmicas, para criar e modificar o conteúdo e a lógica do jogo. O suporte a linguagem de script é responsável por oferecer uma interface entre a game engine e a linguagem de script, que pode ser usada para controlar os eventos, as condições, as variáveis, as funções, etc., do jogo de forma mais fácil e flexível. O suporte a linguagem de script também pode incluir ferramentas de edição e depuração, que permitem aos desenvolvedores escrever e testar o código do jogo de forma mais fácil e interativa. Alguns exemplos de linguagens de script são: Lua, Python e C#.

Essas são as principais funcionalidades de uma game engine, mas existem outras que podem variar de acordo com a game engine escolhida, como interface gráfica, editor de níveis, sistema de partículas, etc. Essas funcionalidades são usadas em diferentes tipos de jogos, dependendo do gênero, da plataforma, do estilo, etc. Por exemplo, um jogo de corrida pode usar mais o motor de física, um jogo de terror pode usar mais o som, um jogo de estratégia pode usar mais a inteligência artificial, etc.

Quais são os tipos de game engine?

As game engines podem ser classificadas em diferentes tipos, de acordo com alguns critérios, como:

  • 2D e 3D: as game engines podem ser divididas em 2D e 3D, dependendo do tipo de gráfico que elas suportam. As game engines 2D são aquelas que permitem criar jogos com gráficos bidimensionais, ou seja, que usam apenas duas dimensões (largura e altura) para representar os elementos visuais do jogo. As game engines 3D são aquelas que permitem criar jogos com gráficos tridimensionais, ou seja, que usam três dimensões (largura, altura e profundidade) para representar os elementos visuais do jogo. As game engines 2D geralmente são mais simples, leves e rápidas, mas também mais limitadas em termos de efeitos e realismo. As game engines 3D geralmente são mais complexas, pesadas e lentas, mas também mais versáteis e impressionantes em termos de efeitos e realismo. Alguns exemplos de game engines 2D são: GameMaker, Construct 2 e RPG Maker. Alguns exemplos de game engines 3D são: Unity, Unreal Engine e Blender.
  • Genéricas e específicas: as game engines podem ser divididas em genéricas e específicas, dependendo do grau de especialização que elas oferecem para o desenvolvimento de jogos. As game engines genéricas são aquelas que permitem criar jogos de qualquer gênero, estilo ou plataforma, sem impor muitas restrições ou exigências. As game engines específicas são aquelas que permitem criar jogos de um gênero, estilo ou plataforma específico, impondo algumas restrições ou exigências. As game engines genéricas geralmente são mais flexíveis, abrangentes e populares, mas também mais difíceis de dominar e otimizar. As game engines específicas geralmente são mais fáceis de usar, adaptadas e eficientes, mas também mais limitadas e restritas. Alguns exemplos de game engines genéricas são: Unity, Unreal Engine e Godot. Alguns exemplos de game engines específicas são: RPG Maker, Ren’Py e Source.
  • Comerciais e gratuitas: as game engines podem ser divididas em comerciais e gratuitas, dependendo do modelo de negócio que elas adotam para disponibilizar o seu uso. As game engines comerciais são aquelas que cobram um valor para que os desenvolvedores possam usar a game engine para criar seus jogos, seja por meio de uma licença única, uma assinatura mensal, uma porcentagem das vendas, etc. As game engines gratuitas são aquelas que não cobram nenhum valor para que os desenvolvedores possam usar a game engine para criar seus jogos, seja por meio de uma licença livre, uma doação voluntária, uma contribuição comunitária, etc. As game engines comerciais geralmente oferecem mais recursos, suporte e qualidade, mas também mais custos e obrigações. As game engines gratuitas geralmente oferecem menos recursos, suporte e qualidade, mas também mais liberdade e economia. Alguns exemplos de game engines comerciais são: Unreal Engine, GameMaker e Construct 2. Alguns exemplos de game engines gratuitas são: Unity, Godot e Blender.
  • Middleware e API: as game engines podem ser divididas em middleware e API, dependendo do nível de abstração que elas oferecem para o desenvolvimento de jogos. As game engines middleware são aquelas que oferecem um alto nível de abstração, ou seja, que escondem os detalhes técnicos e complexos do funcionamento do jogo, e fornecem uma interface gráfica e intuitiva para que os desenvolvedores possam criar seus jogos de forma mais fácil e rápida. As game engines API são aquelas que oferecem um baixo nível de abstração, ou seja, que expõem os detalhes técnicos e complexos do funcionamento do jogo, e fornecem uma interface de programação e código para que os desenvolvedores possam criar seus jogos de forma mais precisa e personalizada. As game engines middleware geralmente são mais amigáveis, produtivas e acessíveis, mas também mais limitadas e padronizadas. As game engines API geralmente são mais poderosas, flexíveis e customizáveis, mas também mais difíceis, demoradas e exigentes. Alguns exemplos de game engines middleware são: Unity, Unreal Engine e GameMaker. Alguns exemplos de game engines API são: DirectX, OpenGL e SDL.

Como escolher uma game engine?

Escolher uma game engine é uma decisão importante e difícil para qualquer desenvolvedor de jogos, pois ela vai influenciar todo o processo e o resultado do projeto. Não existe uma game engine perfeita ou ideal para todos os casos, pois cada game engine tem suas vantagens e desvantagens, e cada jogo tem suas necessidades e características. Por isso, é preciso levar em conta vários fatores na hora de escolher uma game engine, como:

  • Plataforma alvo: é o dispositivo ou o sistema operacional onde o jogo vai rodar, como console, PC, smartphone, navegador, etc. Cada plataforma tem suas especificações técnicas, seus requisitos de compatibilidade, seus padrões de qualidade, seus públicos-alvo, etc., que devem ser considerados na hora de escolher uma game engine. Algumas game engines são mais adequadas para certas plataformas do que outras, pois oferecem mais recursos, suporte e facilidade para desenvolver e publicar jogos para elas. Por exemplo, se você quer fazer um jogo para Android, pode escolher uma game engine que tenha integração com o Google Play, como Unity ou Unreal Engine. Se você quer fazer um jogo para navegador, pode escolher uma game engine que tenha suporte a HTML5, como Construct 2 ou Phaser.
  • Gênero do jogo: é o tipo ou a categoria do jogo, como ação, aventura, RPG, estratégia, puzzle, etc. Cada gênero tem suas mecânicas, seus elementos, seus desafios, seus objetivos, etc., que devem ser considerados na hora de escolher uma game engine. Algumas game engines são mais adequadas para certos gêneros do que outras, pois oferecem mais funcionalidades, ferramentas e exemplos para desenvolver e implementar jogos deles. Por exemplo, se você quer fazer um jogo de RPG, pode escolher uma game engine que tenha um sistema de inventário, de combate, de diálogo, etc., como RPG Maker ou Ren’Py. Se você quer fazer um jogo de estratégia, pode escolher uma game engine que tenha um sistema de inteligência artificial, de mapa, de recursos, etc., como Godot ou Starling.
  • Nível de experiência: é o grau de conhecimento e habilidade que o desenvolvedor tem em relação ao desenvolvimento de jogos e à game engine. Cada game engine tem um nível de dificuldade, de aprendizado, de documentação, de suporte, etc., que devem ser considerados na hora de escolher uma game engine. Algumas game engines são mais fáceis de usar e aprender do que outras, pois oferecem mais abstração, interface gráfica, tutoriais, comunidade, etc., para auxiliar e orientar os desenvolvedores. Por exemplo, se você é iniciante no desenvolvimento de jogos, pode escolher uma game engine que tenha uma curva de aprendizado suave, como GameMaker ou Construct 2. Se você é experiente no desenvolvimento de jogos, pode escolher uma game engine que tenha uma curva de aprendizado acentuada, como Unreal Engine ou Blender.
  • Orçamento: é o valor que o desenvolvedor tem disponível para investir no desenvolvimento do jogo e na game engine. Cada game engine tem um custo, um modelo de negócio, um retorno financeiro, etc., que devem ser considerados na hora de escolher uma game engine. Algumas game engines são mais caras ou baratas do que outras, pois cobram mais ou menos pelo seu uso, pela sua licença, pela sua assinatura, pela sua porcentagem, etc., para permitir e lucrar com o desenvolvimento e a publicação de jogos com elas. Por exemplo, se você tem um orçamento baixo ou nulo para o desenvolvimento do jogo, pode escolher uma game engine que seja gratuita ou que tenha um custo baixo ou flexível, como Unity ou Godot. Se você tem um orçamento alto ou ilimitado para o desenvolvimento do jogo, pode escolher uma game engine que seja comercial ou que tenha um custo alto ou fixo, como Unreal Engine ou GameMaker.
  • Recursos disponíveis: são os elementos que o desenvolvedor tem à sua disposição para criar o conteúdo do jogo, como gráficos, sons, músicas, scripts, etc. Cada game engine tem uma capacidade, uma compatibilidade, uma qualidade, etc., que devem ser considerados na hora de escolher uma game engine. Algumas game engines são mais compatíveis ou incompatíveis com certos recursos do que outras, pois aceitam mais ou menos formatos, tamanhos, resoluções, etc., para importar e exportar os recursos para o jogo. Por exemplo, se você tem recursos em 3D, pode escolher uma game engine que suporte gráficos em 3D, como Unity ou Unreal Engine. Se você tem recursos em 2D, pode escolher uma game engine que suporte gráficos em 2D, como GameMaker ou Construct 2.
  • Documentação e suporte: são as informações e as orientações que o desenvolvedor tem acesso para aprender e resolver dúvidas e problemas sobre o desenvolvimento de jogos e a game engine. Cada game engine tem uma documentação, um suporte, uma comunidade, etc., que devem ser considerados na hora de escolher uma game engine. Algumas game engines têm mais documentação e suporte do que outras, pois oferecem mais manuais, tutoriais, fóruns, blogs, vídeos, etc., para explicar e esclarecer as funcionalidades, as ferramentas, os exemplos, etc., da game engine. Por exemplo, se você precisa de mais documentação e suporte para o desenvolvimento do jogo, pode escolher uma game engine que tenha uma documentação e um suporte completos e atualizados, como Unity ou Unreal Engine. Se você precisa de menos documentação e suporte para o desenvolvimento do jogo, pode escolher uma game engine que tenha uma documentação e um suporte incompletos ou desatualizados, como Blender ou Starling.

Esses são alguns dos principais fatores que devem ser levados em conta na hora de escolher uma game engine, mas existem outros que podem variar de acordo com o projeto, o desenvolvedor, o mercado, etc. Para escolher uma game engine, é preciso pesquisar, comparar e testar as diferentes opções disponíveis, levando em conta as necessidades, as características, as vantagens e as desvantagens de cada uma. Não há uma resposta certa ou errada, mas sim uma escolha pessoal e profissional.

Quais são as game engines mais populares e por quê?

Existem centenas de game engines disponíveis no mercado, cada uma com suas características, diferenciais e exemplos de jogos. No entanto, algumas game engines se destacam por serem mais populares e usadas pelos desenvolvedores de jogos, seja por sua qualidade, versatilidade, facilidade, etc. Aqui, vamos apresentar algumas das game engines mais populares e por quê:

  • Unity: é uma game engine 3D, genérica, gratuita (com algumas limitações) e middleware, que permite criar jogos para diversas plataformas, como PC, console, smartphone, navegador, etc. A Unity é uma das game engines mais populares e usadas do mundo, pois oferece uma interface gráfica intuitiva, uma linguagem de script fácil (C#), uma documentação completa, um suporte profissional, uma comunidade ativa, uma loja de recursos, etc. A Unity também é conhecida por sua flexibilidade e adaptabilidade, pois permite criar jogos de qualquer gênero e estilo, desde jogos simples e casuais até jogos complexos e profissionais. Alguns exemplos de jogos feitos com Unity são: Among Us, Hearthstone, Monument Valley, Ori and the Blind Forest, Cuphead, etc.
  • Unreal Engine: é uma game engine 3D, genérica, comercial (com uma porcentagem das vendas) e middleware, que permite criar jogos para diversas plataformas, como PC, console, smartphone, navegador, etc. A Unreal Engine é uma das game engines mais poderosas e avançadas do mercado, pois oferece um motor gráfico impressionante, uma linguagem de script visual (Blueprints), uma documentação detalhada, um suporte profissional, uma comunidade ativa, uma loja de recursos, etc. A Unreal Engine também é conhecida por sua qualidade e realismo, pois permite criar jogos com gráficos, física, som, inteligência artificial, etc., de alto nível, que se aproximam da realidade. Alguns exemplos de jogos feitos com Unreal Engine são: Fortnite, Gears of War, Bioshock, Batman: Arkham, PUBG, etc.
  • Construct 2: é uma game engine 2D gratuita (com algumas limitações) e middleware, que permite criar jogos para diversas plataformas, como PC, smartphone, navegador, etc. A Construct 2 é uma das game engines mais amigáveis e intuitivas do mercado, pois oferece uma interface gráfica simples, uma linguagem de script visual (Eventos), uma documentação clara, um suporte amigável, uma comunidade ativa, uma loja de recursos, etc. A Construct 2 também é conhecida por sua facilidade e flexibilidade, pois permite criar jogos sem precisar de programação, usando apenas eventos, condições e ações, de forma criativa. Alguns exemplos de jogos feitos com Construct 2 são: The Next Penelope, Super Ubie Island, Mortar Melon, Airscape, etc.
  • GameMaker: é uma game engine 2D, genérica, comercial (com uma licença única) e middleware, que permite criar jogos para diversas plataformas, como PC, console, smartphone, navegador, etc. A GameMaker é uma das game engines mais fáceis e acessíveis do mercado, pois oferece uma interface gráfica simples, uma linguagem de script básica (GML), uma documentação clara, um suporte amigável, uma comunidade ativa, uma loja de recursos, etc. A GameMaker também é conhecida por sua produtividade e rapidez, pois permite criar jogos com poucas linhas de código, arrastando e soltando elementos, em pouco tempo. Alguns exemplos de jogos feitos com GameMaker são: Undertale, Hotline Miami, Hyper Light Drifter, Spelunky, Nuclear Throne, etc.
  • Blender: é uma game engine 3D, específica, gratuita e API, que permite criar jogos para PC. A Blender é uma das game engines mais completas e complexas do mercado, pois oferece um motor gráfico, um motor de física, um som, uma inteligência artificial, um networking, um gerenciamento de arquivos, memória e linha de execução, um suporte a linguagem de script (Python), etc. A Blender também é conhecida por sua versatilidade e integração, pois permite criar jogos e também modelar, animar, renderizar, editar, etc., os elementos do jogo, usando apenas um programa. Alguns exemplos de jogos feitos com Blender são: Yo Frankie!, Sintel The Game, Dead Cyborg, etc.
  • Construct 3: é uma game engine 2D, genérica, baseada em navegador, que permite criar jogos para várias plataformas, incluindo PC e dispositivos móveis. O Construct 3 é conhecido por sua acessibilidade e facilidade de uso, tornando-o uma ótima opção para desenvolvedores iniciantes e para prototipagem rápida. Ele oferece uma interface gráfica intuitiva baseada em arrastar e soltar, e não requer programação tradicional. Em vez disso, os desenvolvedores podem criar jogos usando um sistema de eventos visual, o que o torna uma escolha popular para criadores que não têm experiência em codificação. A comunidade ativa e a loja de recursos ajudam os desenvolvedores a encontrar ativos e extensões para enriquecer seus jogos. Alguns exemplos de jogos feitos com o Construct 3 incluem: “NimbleNaut,” “Wizard’s Wheel,” “Galactic Grind,” entre outros.

Conclusão

As game engines desempenham um papel fundamental na indústria de jogos, permitindo que desenvolvedores criem experiências interativas de forma mais eficiente e acessível do que nunca. Neste artigo, exploramos o que é game engine, suas principais funcionalidades, os diferentes tipos de game engines e como escolher a mais adequada para um projeto específico.

Ao escolher uma game engine, é essencial considerar fatores como a plataforma alvo, o gênero do jogo, o nível de experiência, o orçamento, os recursos disponíveis e a documentação/suporte oferecidos. Não existe uma game engine única que sirva para todos os propósitos, pois cada uma tem suas próprias vantagens e desvantagens.

Algumas das game engines mais populares incluem a Unity e a Unreal Engine, ambas oferecendo poderosas capacidades de desenvolvimento 3D e suporte para várias plataformas. O Construct 2 e o GameMaker são excelentes opções para desenvolvimento 2D, enquanto o Blender oferece uma solução completa para criação de jogos e conteúdo 3D.

Além disso, o Construct 3 se destaca como uma opção baseada em navegador que é fácil de usar, tornando-se uma escolha popular para desenvolvedores iniciantes e prototipagem rápida.

Em última análise, a escolha da game engine certa depende das necessidades específicas do projeto e da experiência do desenvolvedor, e a diversidade de opções disponíveis permite que criadores de jogos de todos os níveis de habilidade e recursos possam entrar no mundo do desenvolvimento de jogos de forma eficaz e criativa. À medida que a tecnologia e as ferramentas de desenvolvimento evoluem, a indústria de jogos continuará a prosperar e a se expandir, oferecendo oportunidades emocionantes para inovação e criatividade.

Quer saber mais um pouco sobre o que é game engine? Veja esse video do canal ‘Crie Seus Jogos’:

Autor
Sempre em busca de trazer novos conteúdos essenciais sobre o universo do desenvolvimento de jogos. De Gamer para Gamers.

Deixe um comentário